Amigas mais que amigas.

Aproveitando a onda do beijo gay na novela, venho escrever sobre o machismo e homofobia enfrentado por mulheres lésbicas. 

Tudo sempre começa com a confusão entre gênero e sexualidade. Você é tão feminina como pode ser lésbica? Se é mais masculina,  dizem que deve ter medo de homem e quer afastá-los.

A partir dessa confusão de gênero e sexualidade; jorram preconceitos: Ela deve ter se dado mal com os homens.  ou  fica com mulheres só para satisfazer o “fetiche’ masculino . Não! É  opção sexual, mulher pode sim ter prazer sem homens, podem até sozinhas, convenhamos.

Um homem que tem uma família e,  se assume gay, dizem: Saiu do Armário. Quando a situação é inversa, dizem que é por carência ou falta de opção.

Segue ao final o link do primeiro beijaço gay numa novela, com um belo texto sobre a insegurança que a homoafetividade entre duas mulheres provoca nos “machões”.

http://www.youtube.com/watch?v=PlBo18NiDw4

Mulher e mãe

Existem muitos interditos sobre o comportamento feminino, porém, eles aumentam quando essa mulher se torna mãe.

Quando uma mulher engravida, ela se torna mãe e esquecem  que antes de mãe, ela é mulher.

A preocupação começa em cuidar da saúde do bebê e, depois da gravidez, voltar à forma física anterior e  se esforçar para voltar a ter interesse sexual.

São noites sem dormir, falta de tempo para se cuidar e o medo do marido perder o interesse por ela, enquanto mulher, a aflige.Em nossa sociedade mulher grávida não é atraente sexualmente e essas se culpam quando em meio a tanta preocupação, conseguem pensar em sexo , pois a mãe deve ser cândida, boa, carinhosa e recatada.

Os filhos nascem e se forem meninos, não deve mimá-los para que se tornem “homens normais”  e se forem meninas você deve ensiná-las o serviço de casa, a se arrumarem e só diga que elas precisam se preservar, os homens só vão querer o corpo delas e assim conseguirão casar.

Assim vão dizer como devemos criar os nossos filhos, para que sejam “normais”, mas não existe um ideal de criação, você nunca terá um filho idealizado por você, por que não é a família a única formadora de identidade, existem várias esferas.

O seu ideal de felicidade pode não ser o do seu filho. A gerações mudam, pois ampliam-se cada vez mais as possibilidades de identificação, coisas que eram impossíveis antes, hoje são possíveis. E isso vai variar, ou seja, pela diferença de idade e de geração, sempre existirão conflitos, sempre, e vocês vão aprender um com o outro, se houver abertura para isso. 

A sociedade cobra, todo mundo criticará sempre algo, então pense em como você quer viver e educar seus filhos porque até como você será feliz vão te dizer. 

image

Sexualidade feminina

Já se foi o tempo em que as mulheres casavam sem saber o que aconteceria na lua-de-mel, mas ainda existem resquícios dessa época no comportamento sexual de homens e mulheres.

Basta pesquisar no google “como agradar um homem” , todos os resultados serão sobre como agradá-los na cama, já pesquisando o contrário, apenas no final da página tem algo relacionado. A sexualidade feminina ainda é tratada como se fosse para agradar ao homem e é isso que as revistas femininas mostram, começando pelas de adolescente ditando regras de “como perder o BV sem micos”.

Basta entrar numa roda de mulheres e ouvi-las falando de como fazem para chamar a atenção do seu companheiro. A sexualidade feminina ainda é tabu, a busca pelo próprio prazer ainda é um assunto vergonhoso. 

Numa roda de homem podem dizer: como minha mulher todo dia”. E daí?Perguntou o que ela queria? Tentou explorar várias áreas de prazer?  Ou transou por 15 min,gozou, e depois  falou: Obrigado, minha gostosa; achando que assim vai elevar a auto-estima dela?

Dizem também que a mulher tem de se dar ao respeito, não correr atrás de homem, fazer ele esperar pelo sexo. Coloca-se então a mulher como um troféu e pro homem como um sacrifício ficar sem sexo.

A sexualidade feminina ainda é vista como secundária e mulher que sabe o que quer e gosta de experimentar deixa o homem (machão) inseguro, pois ela tem o poder! Não existem generalizações e regra, é preciso perceber as repressões e se libertar!image